Anabolizantes aumentam o risco de AVC, infarto e trombose em mulheres

No mês de conscientização e prevenção ao Acidente Vascular Cerebral (AVC) e também à saúde da mulher, o Instituto de Neurologia de Curitiba (Hospital INC) chama a atenção para o uso de substâncias hormonais anabolizantes para fins estéticos na população feminina. Em busca de definição muscular e menos gordura corporal, muitas mulheres têm utilizado anabolizantes, aumentando consideravelmente o risco de AVC, infarto do coração, tromboses e até problemas neuropsiquiátricos.

Aplicados por meio de dispositivos implantados sob a pele, os hormônios anabolizantes, conhecidos popularmente como “chip da beleza”, são liberados lentamente e seus efeitos podem durar meses. É válido lembrar que, diante do uso indiscriminado desta substância, no final do ano passado, a Sociedade Brasileira de Endocrinologia emitiu um parecer informando à população que o uso destes implantes não é um tratamento médico reconhecido, rechaçando o uso para fins estéticos. “O preço a se pagar pelo uso de anabolizantes pode ser a própria vida. Essa situação vem se tornando muito comum entre as mulheres, que estão usando por indicação de leigos ou até mesmo seguindo uma prescrição médica”, observa a neurologista e diretora Clínica do Hospital INC, Vanessa Rizelio.

Não existem dados oficiais no Brasil, mas nos Estados Unidos há uma estimativa que o uso de anabolizantes ocorra em 6,4% dos homens e 1,6% das mulheres. Segundo a neurologista do INC, estes hormônios promovem alterações no metabolismo do colesterol produzido pelo fígado, aumentando a fração LDL do colesterol, chamado “colesterol ruim”, o qual pode ser depositado nas paredes das artérias e formar placas de gordura (ateromas), provocando falhas na circulação de diversos órgãos. “Em poucos meses de uso já ocorre este efeito e o resultado pode ser um AVC ou um infarto. A pessoa pode desenvolver pressão arterial alta e é possível que estes hormônios aumentem o músculo do coração, provocando cardiopatia hipertrófica e risco aumentado para infarto e insuficiência cardíaca”.

O AVC é a doença que causa as maiores incapacidades neurológicas e sequelas, muitas vezes, irreversíveis. O paciente pode permanecer incapaz de falar ou se comunicar, perder a capacidade de locomoção por fraqueza de membros ou por desequilíbrio corporal, perder a visão e, até mesmo, ter redução da capacidade de memória e raciocínio. “Pessoas jovens que sofrem um AVC grave deixam de aproveitar décadas de vida em família e comunidade. Isso sem contar que muitos pacientes morrem devido à doença ou as suas complicações”. Mulheres, de todas as faixas etárias, correm mais riscos de sofrer um AVC do que os homens, isso porque elas têm mais fatores de riscos como diabetes, arritmia cardíaca, enxaquecas e depressão.

Sociedades médicas não recomendam suplementação de testosterona

Anabolizantes são substâncias desenvolvidas a partir da molécula da testosterona, hormônio sexual predominante nos organismos masculinos. Nas mulheres, os hormônios sexuais predominantes são o estrogênio e a progesterona, porém existe uma quantidade pequena de testosterona circulante produzida pelas glândulas suprarrenais. Diferente dos homens, os níveis baixos deste hormônio nas mulheres não têm efeito clinico relevante. Portanto, não há recomendação das sociedades médicas para suplementação ou reposição de testosterona ou derivados, nem mesmo para mulheres em menopausa, segundo a médica Vanessa Rizelio.

A testosterona e os seus derivados anabolizantes atuam no organismo aumentando a massa muscular e a força dos músculos, bem como melhora o desempenho em testes físicos. “Tanto que todas estas substâncias fazem parte das listas de medicamentos proibidos para atletas profissionais nos testes anti-doping. Nas mulheres, além do ganho de massa muscular, podem reduzir o acúmulo de gordura localizada. É uma proposta tentadora em tempos nos quais a imagem de celebridades mostrando seus corpos nas mídias dissemina comportamentos de busca desenfreada pela beleza”. As mulheres que usam anabolizantes ainda podem ter engrossamento da voz, aumento dos pelos na face e calvície, além da acne e aumento de irritabilidade.

Ação de conscientização na filial do Jockey Plaza

No período de 27 de outubro a 4 de novembro, o Hospital INC vai promover uma ação especial de conscientização abordando três temáticas importantes da saúde: a prevenção do AVC, a saúde da mulher e o Novembro Azul. A instituição estará com um estande montado no Jockey Plaza, no Piso S1, próximo ao acesso A do shopping, para levar informações para a população. A ação ainda conta com uma agenda de 12 palestras com médicos especialistas, sempre no período da tarde, em frente à filial do INC Jockey (localizada no Piso L2). O endereço do Jockey Plaza Shopping é Rua Konrad Adenauer, 370, Tarumã.