Com estoque 40% abaixo do ideal, Hemepar solicita doações de sangue

Nesta segunda-feira (14) é celebrado o Dia Mundial do Doador de Sangue. De forma especial, o Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná (Hemepar) reforça o pedido de doações, já que os níveis estão baixos.

O banco de sangue do Paraná está 40% abaixo do recomendável. Em algumas unidades, como a de Curitiba, a redução no número de doadores foi de, aproximadamente, 50%. De acordo com a diretora-geral do Hemepar, Liana Labre de Souza, as unidades têm sido bastante exigidas em decorrência do número de acidentes com traumas, especialmente os automobilísticos.

“O momento é grave, precisamos de doação. Nosso estoque de plaquetas e hemácias não chega a três dias. São cerca de duas mil bolsas de sangue a menos por mês quando comparamos com o mesmo período do ano passado. Caiu de 13 mil para 11 mil doações em média”, afirmou a diretora.

Ela destacou que o Hemepar é responsável no Paraná pela coleta, armazenamento, processamento, transfusão e distribuição de sangue para 385 hospitais públicos, privados e filantrópicos, além de atender 92,8% de leitos SUS. A necessidade de coleta para atender apenas a demanda em Curitiba e Região Metropolitana, por exemplo, é de cerca de 180 bolsas por dia. Com a pandemia do coronavírus, o número de coletas está em torno de 100 bolsas ao dia.

A diretora ressaltou ainda que o órgão adaptou todo o fluxo de atendimento para trazer segurança na hora de doar. O agendamento é online e o atendimento é feito com oito pessoas a cada meia hora para evitar aglomerações, com utilização de álcool gel 70% e profissionais que atuam no atendimento devidamente paramentados.

A pessoa que quiser contribuir deve ter entre 16 e 69 anos (menor de 18 anos apenas acompanhado pelo responsável legal); pesar no mínimo 50 quilos; estar em boas condições de saúde; estar descansado e alimentado (deve evitar alimentos gordurosos nas quatro horas que antecedem a doação) e apresentar documento oficial com foto.

Irmãos de Sangue

A celebração do dia do doador de sangue serviu de gatilho para as amigas Daiana Cristina da Cruz e Diuliane Batista Almeida, ambas com 27 anos, pegarem o rumo do Hemepar, em Curitiba. Devidamente trajadas com a camiseta “Irmãos de Sangue”, grupo que reúne cerca de 30 voluntários da Região Metropolitana de Curitiba, elas ajudaram a amenizar um pouco o drama do órgão.

“Há quatro anos que sou doadora. Três vezes por ano faço a minha parte e incentivo os outros a fazerem a parte deles também”, disse Daiana. “Faço aniversário hoje e vim comemorar aqui, doando um pouco do meu sangue. É maravilhoso saber que com um gesto simples você pode salvar até quatro vidas”, acrescentou Diuliane.

Vacinado pode doar

Pessoas imunizadas contra a covid-19 podem fazer doações de sangue normalmente, desde que aguardem o período estipulado para cada tipo de vacina. A Coranovac/Butantan estabelece um prazo de 48 horas após a aplicação para que o cidadão possa fazer doação de sangue. A AstraZeneca/Fiocruz e a Pfizer/Comirnaty/BioNtech pedem o intervalo de sete dias para a doação.

Quem já teve covid-19

Liana reforçou também o pedido para que pessoas que já se recuperaram da covid-19 ajudem outros pacientes de uma forma bastante simples: doando plasma. Um dos componentes sanguíneos, justamente a parte líquida do sangue, o plasma de pacientes que tiveram a doença pode concentrar uma grande quantidade de anticorpos que agem no combate à infecção – é o chamado plasma hiperimune ou plasma convalescente.

Desde o ano passado, Hemepar faz a coleta e a produção de plasma hiperimune para repassar a hospitais que usam a terapia como alternativa no tratamento dos pacientes internados. Para isso, o paciente recuperado precisa esperar até 45 dias do diagnóstico do RT-PCR ou 30 dias após o fim dos sintomas. Também é necessário agendar a coleta no Hemepar.

A coleta de sangue pode ser feita em qualquer unidade da Hemorrede no Paraná. Já a coleta somente do plasma, nas doações por aférese, é feita apenas em Curitiba, assim como a produção do material que é destinado aos hospitais. Para isso, o sangue do doador é analisado para ver a quantidade de anticorpos IgG (Imunoglobulina G) circulante. Caso haja uma boa titulação de anticorpos, é feita a produção. Cada bolsa de sangue produz 200 ml de plasma hiperimune.

Na outra técnica, a doação por aférese, uma máquina separa todos os componentes primários do sangue, podendo coletá-los individualmente. Dessa forma, só o plasma é retirado, e em maior quantidade.

A transfusão de plasma convalescente é experimentada há tempos como terapia para doenças infecciosas. Chegou a ser usada na pandemia de gripe espanhola, no início do século passado, e também em surtos mais recentes, como do sarampo, da influenza e até do ebola.

No caso da doença causada pelo coronavírus, a transfusão é feita no início da infecção, nos primeiros cinco dias, em pacientes que não estejam com o pulmão muito comprometido e sempre com autorização dos familiares.

Informações da Agência Estadual de Notícias