Entenda a importância do ovo na produção de vacinas

Técnica será utilizada na produção na ButanVac; tecnologia já é usada na fabricação da vacina da gripe

O Instituto Butantan vai começar a produzir um milhão de doses da vacina ButanVac, a vacina brasileira contra a COVID-19. O instituto já recebeu um carregamento de 5.200 ovos de galinha, que serão usados na produção das vacinas.

A utilização de ovo de galinha na fabricação de vacinas é uma técnica já adotada na produção de um imunizante bem conhecido dos brasileiros: a vacina da gripe. A tecnologia original é do Instituto Sanofi-Pasteur. Técnicos brasileiros foram para a França conhecer a produção.

Os ovos embrionados são usados para a produção de vírus, que, por sua vez, são usados na vacina. Após a verificação da qualidade do ovo e se há mesmo um embrião ali, é colocado, através de uma agulha, o vírus vivo diretamente no ovo. Em seguida, o ovo é colocado em incubação por até 72 horas. Nesse tempo, o vírus consegue se multiplicar quase 10 milhões de vezes.

Depois dessa etapa, é extraído o líquido alantóico, que é a água que envolve o embrião dentro do ovo. O material colhido é filtrado e passa por uma centrífuga para que sejam retirados os restos de membrana, casca de ovos e hemácias. Ao final desse processo, os até 140 mil ovos fabricam 100 litros de material concentrado.

Esse material concentrado é purificado e produz até 100 mL de imunizante. Cada mL equivale a aproximadamente 400 doses. Ou seja, são feitas até 40 mil doses da vacina. Depois da purificação, o material é diluído e recebe um detergente para que ocorra a fragmentação do vírus. O vírus fragmentado, depois, é inativado para que ele não tenha a capacidade de replicar e infectar quem recebe a vacina.

Logo após, o produto passa por um processo de esterilização, filtragem e diluição. O produto final é colocado em frascos e, depois da aprovação, é entregue ao Ministério da Saúde para a distribuição aos estados e municípios.

Informações do SBT