Executivo da Pfizer diz que condições recusadas de venda de vacina ao Brasil foram mesmas de outros países

BRASÍLIA (Reuters) – O ex-presidente da Pfizer no Brasil Carlos Murillo disse nesta quinta-feira em depoimento à CPI da Covid no Senado que as condições existentes para a venda de vacinas da empresa ao Brasil foram as mesmas oferecidas a outros países e rejeitou o rótulo de “cláusulas leoninas”, como definiram algumas autoridades brasileiras ao longo das negociações.

No depoimento à CPI, Murillo, que atualmente presidente a Pfizer na América Latina, disse que durante as negociações houve preocupação do Ministério da Saúde em relação às condições de armazenamento da vacina da empresa, desenvolvida em parceria com a BioNTech.

Murillo disse também que o ministério mostrou também a necessidade de uma autorização legislativa específica para atender as condições contratuais.

Por Maria Carolina Marcello

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH4C0TX-BASEIMAGE