Mulher desenvolve demência devido ao mofo, que poderia ser evitado com uso de produtos saudáveis de construção

A australiana Amie Skilton foi diagnosticada como um caso severo de demência provocado pelo mofo. A doença, ocasionado pelo fungo, começou com alergias, cansaço e ganho de peso. Os sintomas atingiram proporções maiores, até que ela passou a apresentar delírios e perda da noção de tempo e espaço, impactando no esquecimento de seu próprio nome.

O fato se desenvolveu devido à falta de impermeabilização de seu banheiro. O vazamento do cômodo escorria para debaixo de seu tapete e para o restante de seu apartamento, provocando a infestação de mofo.

Assim como Amie, outras pessoas são geneticamente vulneráveis às micotoxinas difundidas pelo mofo.

Locais sem luz solar, não arejados e com umidade são responsáveis por desencadear esse bolor, e quando não combatidos, podem ocasionar o surgimento de doenças respiratórias como asma, sinusite, bronquite e rinite.

É comum que a inalação do fungo desencadeie processos inflamatórios e irritativos, como tosse, coriza e entupimento nasal. Ele pode causar também fadiga e ganho de peso.

Mas conforme a situação imunológica do morador e de acordo com o tempo que a pessoa ficou exposta às micotoxinas, podem ser desenvolvidos quadros mais sérios como pneumonite de hipersensibilidade e até demência, como foi o caso de Amie.

Para além, o mofo pode ser também letal. Muitos não imaginam o impacto que há na saúde devido à sua infestação e que pode levar à morte em razão da toxicidade presente nele, o que evidencia a importância de tratar o problema com atenção.

Para reverter esse quadro e evitar casos de mofo nas residências – fator muito comum – a Alphaz Concept, incorporadora brasileira referência por executar projetos assinados de arquitetura com responsabilidade ecológica, desenvolveu uma linha de produtos sustentáveis e saudáveis que podem ser utilizados por qualquer pessoa que vá desenvolver um projeto de arquitetura, reforma etc.

Os produtos da Alphaz Technologies têm certificado de segurança da Green Building Council e inibem qualquer prejuízo à saúde dos moradores. Os itens, além de reduzirem custos e contribuírem com o menor impacto na natureza, não possuem substâncias contaminantes; não contêm produtos químicos que afetem à saudabilidade; têm baixa emissão de voláteis (Compostos Orgânicos Voláteis) e são fabricados com água de reuso.

A linha é composta pela Argamassa Alphaz, que já vem pronta para uso e torna a obra mais prática, rápida e com menor custo. É ecologicamente correto, pois reduz a quase zero o uso de água. O Alphaz Cimento Queimado é uma massa de efeito decorativo pronta para o uso. Possui zero absorção de água.  O Reboco Pronto é uma argamassa para regularizar alvenarias e dar acabamento externo em paredes. Ela já vem pronta para o uso. O Revestimento Fino e Decorativo é para aplicação direta em blocos, tijolos e paredes moldadas.

“Uma das inseguranças de quem vai adquirir um imóvel é se há riscos de propagação de bactérias, algas e fungos. Essa é também uma das nossas preocupações. Portanto, temos a cautela em utilizar produtos que tenham compostos naturais para que não haja danos no bem-estar. Por isso, resolvermos lançar uma linha de produtos no mercado utilizando o que há de mais moderno em tecnologia visando sempre preservar a saúde das pessoas e pensando também na sustentabilidade, no meio ambiente. Fora isso, trazem economia para quem vai reformar ou construir um imóvel. Todos os materiais usados por nós passaram pelo crivo do HBC, comprovando a inexistência de substâncias contaminantes”, comenta Luigi Scianni Romano, sócio-fundador da Alphaz Concept.

A linha de produtos da Alphaz favorece a salubridade e a saudabilidade, que zeram o risco de contaminação para a saúde dos que constroem e dos futuros ocupantes das construções. Alguns destes exemplos é a argamassa polimérica, que não contém cimento e é impermeável, e o reboco para fazer acabamentos ou regularizar paredes de forma a assegurar uma melhor qualidade de vida.

“Nós acreditamos que é possível prezar pela saúde e segurança de moradores por meio de práticas sustentáveis. Cada vez mais as pessoas procuram imóveis confortáveis e que sejam ´saudáveis´, além de ecológicos. Por isso, investimos nessa proposta e estamos sempre atentos a tudo de mais moderno que surge nesse setor”, afirma Luigi Scianni Romano.

Os produtos reduzem em até 40% o custo de uma obra, utilizam menos água, são mais eficazes e têm maior rentabilidade.