Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência traz a importância da disseminação de informações

A Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência teve início nesta segunda-feira, (01). De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) houve redução no número de gestação em adolescentes (10 a 19 anos) no Paraná.

Em 2018, o percentual no número de adolescentes grávidas no Estado ficou em 13,2%. Em 2020, o percentual foi de 11,3%.   

A Sesa enfatiza a importância e orienta sobre a disseminação de informações e medidas preventivas que contribuem para que ocorra a diminuição dos casos.

“A adolescência compreende uma fase extremamente importante para a formação do ser humano, é um período de amadurecimento e desenvolvimento pessoal. Precisamos levar aos adolescentes a conscientização sobre a gravidez na adolescência, esta é uma ação importantíssima, uma vez que a gravidez precoce envolve muito mais do que questões físicas, mas também emocionais e sociais”, afirma o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

De acordo com a diretora de Vigilância e Atenção à Saúde, Maria Goretti David Lopes, para abordar essa temática integralmente é necessário que haja a articulação e atuação de diversas políticas públicas.

“Um dos fatores mais importantes de prevenção é a educação, peça chave para a saúde integral, tanto no âmbito individual quanto coletivo” disse. “Munir os adolescentes de conhecimentos, habilidades, atitudes e valores irão capacitá-los para cuidar de sua saúde, bem-estar e dignidade, bem como para avaliar suas escolhas e como estas afetam as suas vidas”, acrescentou.

Maternidade Mater Dei

No último ano, a Mater Dei, que é a maternidade que mais realiza partos pelo SUS no Paraná, atendeu 131 mães adolescentes, menores de 18 anos, todas moradoras de Curitiba. Na cidade, o total foi de 1.403 nascimentos com mães adolescentes, segundo dados do Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos (Sinasc).

De acordo com Karina Coelho, assistente social da Mater Dei, o índice de partos precoces ou indesejados, poderia ser reduzido com mais educação sobre o assunto. “Aqui na maternidade, percebemos que as adolescentes relatam falta de orientação e entendimento do cuidado com o corpo e a saúde da mulher”, afirma a profissional.

Dados

De acordo com os dados do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc), em 2019, dos 153.482 nascidos vivos no Paraná, 18.883 foram de mães com menos de 20 anos, o que representa 12,3% do total de nascidos vivos. Destes, 714 (0,5%) são de mães na faixa etária compreendida entre 10 e 14 anos e 18.169 (11,8%) de 15 a 19 anos.

Destaca-se que, de 2015 a 2019, houve uma redução de 41,7% nascidos vivos no grupo etário de mães entre 10 a 19 anos. Além disso, os dados preliminares de 2020 apontam a redução de cerca de 16% comparado com 2019.

Colaboração AEN e Maternidade Mater Dei