Trauma durante parto pode causar torcicolo congênito

O torcicolo congênito é pouco conhecido, mas relativamente comum. A principal característica da condição é a inclinação da cabeça do bebê para o lado do músculo do pescoço afetado, com uma rotação para o lado oposto. Em geral, o torcicolo congênito se manifesta no primeiro mês de vida.

Segundo a fisioterapeuta Walkíria Brunetti, especialista em neurologia e prematuridade, o diagnóstico, em geral, é realizado clinicamente.

“O bebê apresenta uma limitação dos movimentos do pescoço. Além disso, o ombro fica elevado devido à contratura do músculo e a cabecinha inclina-se para o lado”.

Traumas no parto

A origem do torcicolo congênito pode estar ligada a questões pré-natais, como o tocotraumatismo cervical (lesões causadas no bebê durante o trabalho de parto), mal posicionamento uterino e hereditariedade.

Outra possível causa é a diminuição da passagem de sangue para o músculo esternocelidomastoideo, músculo que sustenta o pescoço.

Um estudo brasileiro apontou que o parto cesáreo e o uso de fórceps também aumentam o risco. Essa pesquisa também mostrou que em 75% dos casos, a mãe é primigesta, ou seja, eram bebês fruto da primeira gestação.

Outras manifestações

É comum também a presença de um nódulo no músculo do pescoço, em aproximadamente 20% dos casos.

“Um ponto de atenção é que esse nódulo costuma aparecer entre dez e 14 dias após o parto. Ele pode crescer e chegar até o tamanho de uma amêndoa. Depois, ele começa a diminuir e pode desaparecer até o oitavo mês de vida”, diz Walkíria.

Em muitos casos, o bebê que apresenta o torcicolo congênito também apresenta displasia no quadril. “Por isso, sempre que há o diagnóstico dessa condição, é preciso investigar se há também alteração no quadril”, ressalta a especialista.

Consequências do torcicolo congênito

Os bebês com o torcicolo congênito preferem dormir de bruços com o lado do pescoço afetado para baixo. Entretanto, essa posição é potencialmente perigosa, pois pressiona os ossos faciais em desenvolvimento.

“Essa pressão constante pode causar o remodelamento desses ossos. Como resultado, o bebê pode desenvolver uma diminuição da atividade de formação dos tecidos, chamada de hemihipoplasia facial”, diz Walkíria.

“Outra consequência grave é a plagiocefalia. Trata-se de uma deformidade no crânio devido ao bebê dormir sempre do mesmo lado. A cabeça perde o formato mais redondo e fica com uma aparência achatada”, explica a fisioterapeuta.

Fisioterapia é essencial

A boa notícia é que com o tratamento fisioterapêutico, 90 a 95% dos bebês melhoram antes do primeiro ano de vida. Essa taxa pode subir para 97%, caso a fisioterapia seja iniciada antes do bebê completar seis meses.

Contudo, aqui vai um alerta: o diagnóstico e o tratamento tardios podem gerar complicações, como escolioses cervicais e/ou torácicas compensatórias e dores crônicas.

De acordo com Walkíria, a fisioterapia tem como objetivo realizar correções ativas da posição do pescoço no dia a dia, bem como melhorar a contratura muscular. “A fisioterapia é de suma importância para evitar a intervenção cirúrgica, além de ser um tratamento não traumático e eficaz”.

“Vale ressaltar que o tratamento deve continuar em casa, com a realização diária e constante dos exercícios indicados pelo fisioterapeuta. Isso pode fazer toda a diferença na resolução do torcicolo congênito mais precocemente”, finaliza Walkíria.