Massa News, notícias do Paraná e do Brasil

Curitiba, PR
Clima
18.7ºC
Massa News, notícias do Paraná e do Brasil

Testes moleculares detectam novas cepas da Covid-19

Redação

Redação

Com a chegada do outono e do inverno no hemisfério norte, as autoridades europeias preveem uma temporada de alta transmissão da Covid-19 e do Influenza, o vírus causador da gripe. Com uma maior circulação de doenças respiratórias e a ausência de barreiras sanitárias, especialistas temem que a onda que se inicia no outono europeu chegue ao Brasil em janeiro, gerando um novo aumento nos casos e nas mortes por Covid-19. 

Foto: Pixabay

No último mês, o Brasil registrou 41.146 novos casos de Covid-19, totalizando 36.552.432 casos desde o início da pandemia, de acordo com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS). Ainda segundo o órgão, 694.985 óbitos foram provocados por problemas relacionados ao coronavírus. Com a circulação das novas subvariantes BQ.1 e BQ 1.1, derivações recentes da variante Ômicron, há ainda mais necessidade de retomar cuidados e restrições como completar o esquema vacinal e tomar as doses de reforço recomendadas (terceira e quarta doses), evitar aglomerações, usar máscaras em lugares fechados ou com contato prolongado com outras pessoas, lavar as mãos frequentemente com água e sabão ou higienizá-las com álcool em gel.

Ficar atento aos sintomas também é importante para evitar a transmissão. Os mais comuns são: febre ou calafrios, tosse, dificuldade para respirar, fadiga, dor no corpo, dor de cabeça, perda de olfato e de paladar e diarreia. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a BQ.1 foi identificada em 60 países, incluindo o Brasil, e pode se tornar prevalente. Há casos confirmados em São Paulo, no Rio de Janeiro, no Rio Grande do Sul, em Santa Catarina, no Distrito Federal, no Alagoas, no Espírito Santo, na Amazônia e no Ceará.

Embora não haja evidências de que a BQ.1 possa causar sintomas mais graves, sua resistência e transmissibilidade são maiores, comparadas às outras variantes. A BQ.1 também possui mutações genéticas na proteína Spike, localizada na superfície do Sars-CoV-2, permitindo que o vírus se ligue à célula e a infecte. Isso dificulta o reconhecimento e o combate do vírus pelo sistema imunológico, aumentando também o risco de reinfecção. Identificar a variante da doença propicia um cuidado direcionado para o paciente, interrompe a cadeia de transmissão e evita os altos custos hospitalares e tratamentos incorretos decorrentes do diagnóstico tardio.

Testes oferecem suporte à conduta médica

Nesse cenário, exames que utilizam biologia molecular são fundamentais, pois detectam os patógenos causadores da doença com precisão e agilidade, auxiliando profissionais de saúde a tomarem as melhores decisões em benefício dos pacientes. A Mobius Life Science possui mais de 25 anos de experiência em medicina diagnóstica e oferece exames moleculares que aliam alta sensibilidade, rapidez e praticidade para detectar o coronavírus e suas variantes. 

“Alinhada às necessidades do mercado, a Mobius conta com soluções moleculares para diversas especialidades médicas. Soluções que permitem aos laboratórios a realização de exames de forma rápida, contribuindo para que os pacientes sejam corretamente tratados. Com a eliminação de tratamentos empíricos, devido a diagnósticos que demoram, os pacientes restabelecem sua saúde de forma mais rápida, ganhando em tempo e qualidade de vida, bem como há também uma importante diminuição de custos para todo o sistema, público, privado e ao próprio paciente”, explica Juliano Bison, coordenador comercial da Mobius.

O Kit XGEN Master Covid-19 oferece detecção dos genes ORF1ab e N para SARS-CoV-2. O diagnóstico é realizado em poucas horas e todos os reagentes para a detecção são fornecidos em um único kit.

Os vírus da Influenza A e B também são causas significativas de morbimortalidade em todo o mundo. Idosos e indivíduos comprometidos apresentam risco especial de desenvolver doenças graves e complicações, como pneumonia. Já os casos mais graves do vírus SARS-CoV-2 podem causar pneumonia, insuficiência renal e morte. O diagnóstico pode ser problemático, pois uma ampla variedade de patógenos pode causar infecções respiratórias agudas que se apresentam com síndromes clínicas semelhantes. Os ensaios de PCR em tempo real demonstraram ser uma ferramenta de diagnóstico sensível e específica para a detecção dos vírus Influenza A, Influenza B e SARS COV 2.

O Kit XGEN Multi Covid-19 Flu A/Flu B contém todos os reagentes necessários para identificar os vírus da Influenza A e B e a Covid-19. É um kit compacto e em formato liofilizado, que facilita a logística de transporte e armazenagem em temperatura ambiente(2°C a 40°C), levando a uma menor manipulação  diminuindo as chances de erro e contaminação.

Por sua vez, os vírus sinciciais respiratórios humanos (HRSV)  são os principais agentes de uma infecção aguda nas vias respiratórias. Eles são um contribuinte comum de infecções respiratórias que causam bronquite, pneumonia e infecções pulmonares obstrutivas crônicas em pessoas de todas as idades. Um aliado no diagnóstico é o Kit XGEN Multi Covid-19 Flu/HRSV, capaz de detectar o vírus sincicial respiratório humano, Covid-19 e o vírus da Influenza A e B.

“Dado a quantidade de patógenos que causam infecções respiratórias com os mesmos sinais clínicos ou coinfecções, somados à urgência do diagnóstico, é necessário lançar mão a exames Multiplex. Com isso, o médico poderá tomar condutas mais personalizadas aos pacientes, de acordo com o risco de cada infecção”, explica Juliano.

Identificação correta de patógenos respiratórios evita complicações graves

A maior parte das infecções respiratórias é causada por vírus, mas elas também podem ser decorrentes de bactérias. As doenças causadas pelos patógenos respiratórios podem provocar diferentes sintomas. A identificação do agente responsável permite o melhor manejo terapêutico do paciente. O  Kit XGEN Multi PR21 detecta, em uma única amostra, os 21 patógenos mais frequentes em infecções respiratórias como o Coronavírus Humano, Influenza A, Influenza B, Adenovírus Humano, Vírus Sincicial Respiratório A e Vírus Sincicial Respiratório B. Além disso, o Kit oferece laudos completos com a análise realizada no próprio equipamento.

Outro agravante em relação às infecções respiratórias é que elas podem ser simples, com sintomas semelhantes aos da gripe, ou causar complicações graves que provocam até a morte. A Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) é uma complicação viral que frequentemente causa hospitalização e pode levar a óbito. A SRAG pode ser causada pelos Coronavírus, Vírus Influenza, Vírus Sincicial Respiratório (RSV), Parainfluenza, Adenovírus, entre outros.

Os principais vírus que causaram hospitalização e óbitos por SRAG nos últimos anos foram o SARS-CoV-2 em adultos, Influenza H1N1 e RSV em crianças. O RSV é responsável por 70% das bronquiolites e até 40% das pneumonias. Os Adenovírus e Rinovírus estão relacionados à exacerbação da asma, bronquite e pneumonia. Além disso, infecções bacterianas importantes como a pneumonia podem ser confundidas com a COVID-19 por apresentarem sintomas semelhantes.

Pensando nisso, a Mobius desenvolveu o Kit XGEN Multi PR24 Flow Chip, que possui a capacidade de detectar 24 patógenos que podem causar infecções respiratórias em uma única amostra e fornece um laudos completos com análise feita pelo equipamento.O diagnóstico molecular preciso orienta as medidas para prevenção da transmissão patogênica, direciona o tratamento e previne o desenvolvimento de resistência antimicrobiana. O tratamento correto também diminui as reações adversas provocadas por medicações inadequadas e os custos hospitalares.

Entre no grupo do Massa News
e receba as principais noticias
direto no seu WhatsApp!

Compartilhe essa matéria nas redes sociais

Ative as notificações e fique por dentro das notícias

Dá o play Assista aos principais vídeos de hoje
Colunistas A opinião em forma de notícia