Djokovic afirma que espera disputar Aberto da Austrália em 2023

BELGRADO (Reuters) – Novak Djokovic espera que a Austrália mude suas regras sobre vacinação contra a Covid-19 e que ele possa jogar o Aberto da Austrália no próximo ano, disse o tenista à emissora estatal sérvia de televisão RTS nesta segunda-feira (11).

Djokovic conquistou os títulos do Aberto da Austrália, Aberto da França e Wimbledon em 2021, mas não conseguiu defender seu troféu no Melbourne Park este ano devido à recusa em se vacinar contra a Covid-19.

O sérvio foi eliminado por Rafael Nadal nas quartas de final do Aberto da França deste ano, mas manteve seu título de Wimbledon no domingo.

O sérvio 21 vezes campeão de torneios do Grand Slam não pode entrar na Austrália ou nos Estados Unidos sem ser vacinado contra a Covid.

“Como as coisas estão agora, não posso viajar para Austrália e Estados Unidos, mas espero receber notícias positivas. Acredito que as coisas mudarão para o Aberto da Austrália”, disse Djokovic à RTS depois de ser recebido por milhares de fãs em frente à prefeitura de Belgrado.

“Para o Aberto dos EUA não há muito tempo, mas a esperança é a última que morre”, acrescentou. “Eu gostaria de disputar o Aberto dos EUA e o Aberto da Austrália, mas mesmo que não o faça, não é o fim do mundo.”

A temporada de Djokovic não deu certo como ele imaginava depois de ser deportado de Melbourne antes do Aberto da Austrália e perder para Nadal em Roland Garros.

No entanto, o jogador de 35 anos venceu as últimas quatro edições de Wimbledon, 2018, 2019, 2021 e 2022, com o torneio de 2020 cancelado devido à pandemia. Ele está agora um título de Grand Slam atrás do recordista Nadal, que tem 22.

(Reportagem de Ivana Sekularac)