Aumento linear de 5% para servidores subiu no telhado

Apesar da pressão do funcionalismo público por reajuste salarial, no Planalto é crescente o entendimento de que o aumento subiu no telhado, inclusive o linear de 5% que chegou a ser acordado com a equipe econômica. 

O prazo para a concessão de reajuste acaba no início de julho. Mas, para manter uma sinalização às categorias da segurança, existe um entendimento entre representantes do setor de que Bolsonaro poderia publicar o texto da reestruturação das carreiras e encaminhar para o Congresso para aprovação até 5 de julho.  

Além do prazo cada vez mais curto para a decisão do governo, por causa da legislação no ano eleitoral, uma declaração do presidente Jair Bolsonaro (PL), na segunda-feira (30), reforçou essa percepção. 

“Somos o primeiro governo que tem teto de gastos. Eu não posso dar aumento para a PRF, a PF, a Receita Federal, para quem quer que seja sem existir uma dotação orçamentária para tal”, disse. 

Bolsonaro ainda lembrou que congelou o salário dos servidores durante a pandemia, por um ano e meio, e esperou a oportunidade para reestruturar carreiras e conceder reajuste.

“Governadores têm concedido reajuste, porque têm dinheiro dado do governo federal. Agora, quem está numa situação bastante complicada sou eu. No ano passado, tivemos um extra de arrecadação de R$ 300 bilhões, mas não posso usar um real sequer para qualquer outra despesa, por causa da lei do teto. Somos escravos da lei. Não vamos buscar alternativas, subterfúgios e incorrer em crime de responsabilidade para atender quem quer que seja”, afirmou.

Informações de SBT News