Auditores agropecuários entram em greve e pedem concurso público

O Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários (ANFFA Sindical) organizou a greve de dois dias da categoria. Entre terça (14) e quarta-feira (15), os servidores cruzaram os braços como protesto pelo “descaso do governo federal quanto à reestruturação devida aos auditores fiscais federais agropecuários (affas)”, segundo a entidade.

O que a categoria considera como “descaso” inclui “perdas inflacionárias e defasagem salarial de cinco anos”. Os auditores também reivindicam concurso público para suprir a demanda por mais 1.620 auditores. Além disso, o Sindicato vem tentando ampliar o debate do Projeto de Lei do Autocontrole (PL 1.293/2021), que terceiriza a auditoria e a fiscalização, atividades típicas do Estado. A ideia é que a sociedade seja melhor informada, com audiências públicas em comissões como a de Defesa do Consumidor e de Saúde.

O ANFFA destaca ainda que, mesmo em greve, manteve o ritmo normal de trabalho para as atividades que podem afetar diretamente o cidadão, como a liberação de cargas perecíveis e de animais domésticos para viagens.

A greve também não afetou a realização de diagnóstico de doenças e pragas para não comprometer programas importantes para o Brasil, de prevenção à febre aftosa, à peste suína africana (PSA) e a outras doenças que poderiam colocar em risco políticas sanitárias do setor agropecuário.

No Paraná, são cerca de 240 auditores fiscais federais agropecuários. Eles são servidores de carreira do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), responsáveis por garantir a saúde animal, a sanidade vegetal e a qualidade e segurança dos produtos agropecuários que chegam até o consumidor final aqui no país e no exterior.