Conselho de supervisão do Facebook mantém suspensão de Trump

Por Elizabeth Culliford

(Reuters) – O conselho de supervisão do Facebook manteve nesta quarta-feira a suspensão do ex-presidente dos EUA, Donald Trump, mas disse que a empresa errou ao tornar a suspensão indefinida e deu à companhia o prazo de seis meses para uma “resposta proporcional”.

Trump chamou a decisão e seu banimento de plataformas sociais “uma desgraça total” e disse que as empresas “pagariam um preço político”.

O muito aguardado veredicto do conselho era monitorado em busca de sinais sobre como a maior empresa de mídia social do mundo tratará os líderes políticos que quebrarem suas regras no futuro, uma área-chave de controvérsia para plataformas online.

O conselho, criado pelo Facebook para decidir sobre uma pequena parte de suas decisões de conteúdo, disse que a empresa estava certa em banir Trump após a invasão do Capitólio dos Estados Unidos em 6 de janeiro por partidários pró-Trump.

Mas disse que o Facebook impôs de forma inadequada uma suspensão sem padrões claros e que a empresa deveria determinar uma resposta consistente com as regras aplicadas a outros usuários da plataforma. O conselho disse que a empresa poderá determinar se a conta de Trump será restaurada, temporariamente suspensa ou permanentemente banida.

“Penalidades indefinidas desse tipo não passam no teste de olfato internacional ou norte-americano para clareza, consistência e transparência”, disse o ex-juiz federal Michael McConnell, copresidente do conselho de supervisão, durante uma coletiva de imprensa após a decisão.

Em seu parecer, o conselho disse que o Facebook se recusou a responder algumas das 46 perguntas que colocou, incluindo aquelas sobre como seu feed de notícias e outros recursos afetaram a visibilidade dos posts de Trump e se a empresa planejava verificar como sua tecnologia ampliava o conteúdo à medida que tinha feito nos eventos que levaram ao cerco do Capitólio.

O conselho disse que as políticas existentes do Facebook, como decidir quando o material é muito interessante para ser removido, precisam ser comunicadas com mais clareza aos usuários. Também pediu ao Facebook para desenvolver uma política que rege como ele lida com novas situações em que as regras existentes seriam insuficientes para evitar danos iminentes.

O empresa de mídia social bloqueou indefinidamente o acesso de Trump ao Facebook e ao Instagram respondendo a preocupações de maior agitação violenta após o tumulto de 6 de janeiro. Foi um de uma série de empresas de mídia social que barraram o ex-presidente, incluindo o Twitter, que o baniu permanentemente.

“Vamos agora considerar a decisão do conselho e determinar uma ação que é clara e proporcionada”, afirmou Nick Clegg, vice-presidente no Facebook para assuntos globais e comunicação, em um blog na sequência da decisão. “Nesse ínterim, as contas do Sr. Trump permanecem suspensas.”

Trump chamou a mudança de “uma vergonha para nosso país” e acrescentou que “a liberdade de expressão foi retirada do presidente dos Estados Unidos porque os lunáticos da esquerda radical têm medo da verdade, mas a verdade virá de qualquer maneira, maior e mais forte do que nunca”.

Um porta-voz do conselho disse à Reuters que a decisão não foi compartilhada com a equipe de Trump antes do anúncio.

O veredicto significa que Trump não poderá, por enquanto, retornar às plataformas do Facebook, onde tinha 59 milhões de seguidores no Facebook e Instagram. Sua campanha gastou cerca de 160 milhões de dólares em anúncios no Facebook em 2020, de acordo com a empresa digital democrata Bully Pulpit Rastreador de campanha da Interactive.

A decisão é um marco para o conselho recém-criado, que o Facebook financiou com 130 milhões de dólares. O colegiado foi saudado como um novo experimento por alguns pesquisadores, mas criticado por outros, que estão céticos sobre sua independência ou o veem como uma manobra de relações públicas para desviar a atenção dos problemas mais sistêmicos da empresa.

(Reportagem adicional de Sheila Dang em Dallas, Helen Coster em Nova York, Paresh Dave em San Francisco, Steve Holland e Lisa Lambert em Washington DC)