Médico chinês que revelou primeiros casos e morreu de covid-19 é lembrado 2 anos depois

Por Martin Quin Pollard

XANGAI (Reuters) – Milhares de pessoas enviaram mensagens à conta de rede social do médico chinês que revelou a existência da Covid-19, Li Wenliang, no aniversário do dia em que ele descobriu casos de um vírus que podia causar pneumonia na cidade de Wuhan e compartilhou a informação com outros médicos.

No dia 30 de dezembro de 2019, Li, um oftalmologista de um hospital de Wuhan onde o surto de vírus Sars-CoV-2 foi detectado pela primeira vez, viu um relatório médico que mostrou que possíveis casos de coronavírus haviam sido confirmados na cidade, como escreveu em uma publicação em sua conta de Weibo no dia 31 de janeiro.

No início daquele mês, depois que a informação sobre “casos de síndrome respiratória” foi compartilhada no grupo WeChat, Li foi repreendido pela polícia local, de acordo com a mesma postagem do Weibo.

No dia 12 de janeiro ele foi ao hospital, infectado com o vírus que causa a doença Covid-19, e morreu em 7 de fevereiro de 2020.

Sua morte causou grande tristeza na rede social na época, quando as pessoas estavam em alerta para o vírus e as autoridades eram criticadas por causa da impressão de falta de transparência e da abordagem dura com delatores como Li.

Desde então, a confiança em relação à reação da China à pandemia aumentou, mas pessoas continuam a postar para Li, especialmente em certas datas marcantes, como fizeram nesta quinta-feira.

“Feliz Ano Novo, doutor Li, lembraremos de você para sempre”, escreveu um usuário chamado Tdby.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEHBT0HC-VIEWIMAGE