Preso suspeito de ordenar morte de empresário em loja de tapetes automotivos

Policiais da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) prenderam, na manhã desta sexta-feira (28), o suspeito de ser o mandante da morte do empresário Jean Carlos Pereira, que foi baleado dentro de uma loja de tapetes automotivos, no dia 10 de fevereiro do ano passado, no bairro Prado Velho, em Curitiba. O crime, de acordo com as imagens de câmeras de segurança, aconteceu na frente dos filhos pequenos e da esposa da vítima.

Após mais de um ano de investigações, a polícia descobriu o local em que Sandro Marcelo Castelan estava e efetuou a prisão do homem que era considerado foragido desde a época do homicídio. Ele estava em um condomínio de luxo, no bairro Pilarzinho. Além dele, outras duas pessoas, sendo a esposa e enteada, foram detidas em flagrante por desacatarem os policias e investigadores da DHPP.

“Tivemos que usar diversos equipamentos de alta tecnologia e conseguimos verificar que ele [preso] estava em um sobrado num condomínio de luxo em Curitiba. Hoje, cumprimos o mandado e fomos até a residência. Tentou se esconder no gesso do telhado e ficou com as pernas pendurados para fora”, disse o delegado, Tito Barichello, da DHPP.

Durante o cumprimento do mandado de prisão, equipes de investigação foram hostilizadas e o delegado agredido pela família do preso. Além disso, na confusão, a mulher de Sandro ainda tentou tirar a arma do doutor Tito Barichello. Elas também foram autuadas e devem responder por desacato a autoridade.

“A esposa dele me agrediu, tentou tomar minha arma lá dentro junto com a enteada. Eles não aceitam o cumprimento da lei. Essas duas pessoas serão conduzidas à delegacia por desacato”, concluiu.

(Foto: Reprodução/Polícia Civil)

Investigação

Segundo a polícia, o empresário, Jean Carlos Pereira, teria trabalhado em uma construção com o suposto mandante no estado de Goiás, onde a obra teria tido um superfaturamento. Em razão disso, a vítima teria descoberto e delatado a ação fraudulenta de Sandro, o que motivou o desentendimento e o crime.

No decorrer do inquérito, a Polícia Civil descobriu que o valor pago ao executor do crime foi de R$ 5 mil. Além do atirador, outros dois homens também foram presos por envolvimento no homicídio.

Durante a prisão, Sandro Marcelo disse ao delegado que irá fazer uma revelação, que pode mudar o rumo das investigações. Ele deve prestar depoimento nas próximas horas, na Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Crime

Jean Carlos Pereira, proprietário de uma loja de tapetes automotivos, foi surpreendido dentro do próprio estabelecimento, no dia 10 de fevereiro de 2020. Armado, o suspeito foi até a sala do empresário e disparou seis vezes com uma pistola semiautomática de 9 milímetros.

O empresário foi socorrido, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no hospital três dias após o ocorrido.

(Foto: Reprodução/Câmera de segurança)

Com a colaboração de Juliana Rodrigues, da Rede Massa.