Quadrilha especializada em roubo de celulares é alvo de operação da Polícia Civil

Um grupo criminoso especializado em roubos de celulares em Curitiba, região metropolitana e no Litoral do Paraná virou alvo de uma operação da Delegacia de Furtos e Roubos (DFR) nesta terça-feira (18). Os crimes, segundo a polícia, foram flagrados por câmeras de segurança e facilitaram a identificação dos envolvidos. Dois deles foram presos e o restante da quadrilha está sendo procurado.

Os suspeitos, de acordo com as investigações, utilizavam um veículo de uma locadora para cometer os assaltos e, armados, faziam as vítimas reféns dentro da empresa enquanto recolhiam os aparelhos celulares.

“Eles locavam um veículo e escolhiam os estabelecimentos de grande porte. Depois, ingressavam os locais munidos de arma de fogo anunciando o assalto. Em determinado momento, colocavam as vítimas em uma sala e levavam cerca de 30 a 40 celulares lacrados. Os aparelhos eram vendidos na capital, na Grande Curitiba e na região litorânea”, disse o delegado Tiago Dantas em entrevista à Rede Massa.

Durante a operação, a polícia conseguiu recuperar vários telefones e dois suspeitos com mandados de prisão em aberto foram presos. Um rapaz, que seria receptador, também foi encaminhado à delegacia. A polícia já tem a identificação dos outros envolvidos, que ainda não foram localizados.

(Foto: Reprodução)

Investigação

Após os crimes, a Polícia Civil analisou imagens de câmeras de segurança das empresas e identificou os criminosos. Os trabalhos da polícia duraram cerca de 40 dias e a operação foi realizada pela Delegacia de Furtos e Roubos de Curitiba.

“O veículo que eles usavam tinham GPS. Então, o aparelho apontou todos os lugares que eles passaram bem como nas residências deles. Capturamos ainda imagens do pedágio, onde conseguimos identificar através da câmera os envolvidos colocando eles no cenário criminoso”, explicou Dantas.

Prejuízo

Os telefones eram comercializados em sites de vendas e também aos colegas dos suspeitos, que adquiram os celulares por um preço bem abaixo do mercado. Segundo o delegado, Tiago Dantas, o grupo causou um dano enorme às empresas.

“A associação criminosa trouxe um prejuízo significativo para o comércio. Cada estabelecimento eram levados cerca de 40 telefones, somando quase R$ 50 mil por loja. Esses equipamentos eram vendidos de formas aleatórias”, concluiu o delegado.

Os bandidos presos vão responder por roubo circunstanciado e associação criminosa armada. Eles devem permanecer detidos até o fim das investigações à disposição da Justiça. A polícia conta ainda com a colaboração da sociedade com denúncias para chegar até os outros suspeitos.