Representante da Ucrânia pede “reação mais forte” do Brasil

O encarregado de Negócios da Embaixada da Ucrânia no Brasil, Anatoliy Tkach, afirmou que a última noite foi a pior em Kiev desde 1941, quando a capital foi invadida pelos nazistas. Em coletiva de imprensa nesta sexta-feira (25), questionado sobre o posicionamento brasileiro em relação à guerra, Tkach disse que é esperada uma reação “mais forte” do governo. “Nesse momento, a guerra é em todo o território ou alguns territórios do nosso país. É uma guerra de grande escala”, completou. 

O encarregado de negócios destacou ainda a necessidade de que os países imponham sanções mais “fortes” contra a Rússia. “Nós precisamos das sanções muito fortes”, ressaltou. Na coletiva, ele foi perguntado também sobre as negociações para retirada de brasileiros que vivem na Ucrânia, mas ainda nenhum plano foi apresentado. “A embaixada do Brasil está trabalhando com o governo da Ucrânia para garantir a saída dos brasileiros”, afirmou.

Ainda segundo Tkach, de acordo com dados do governo ucraniano, 800 soldados russos já foram mortos, 7 aviões e 6 helicópteros foram abatidos, assim como 130 blindados e cerca de 30 tanques. Entre os ucranianos, já foram registradas 137 pessoas mortas e 316 feridas. Na coletiva de imprensa, ele explicou que, até o momento, os ataques russos foram feitos a partir das regiões Norte, Leste e Sul da Ucrânia.

Informações de SBT News