Suspeito de ataque racista em NY foi detido para exame de saúde mental no ano passado

BUFFALO, Estados Unidos (Reuters) – O adolescente branco que matou 10 pessoas a tiros em um ataque racista em um mercado localizado em um bairro negro no interior do Estado de Nova York havia sido detido e submetido a uma avaliação de saúde mental há um ano, mas foi liberado depois de cerca de um dia, disseram autoridades neste domingo.

O suspeito, Payton Gendron, de 18 anos, se entregou à polícia no sábado no mercado em Buffalo, no Estado de Nova York, após o que as autoridades chamaram de um ato de “violência extremista com motivação racial”. Ele aparentemente divulgou um manifesto racista na internet.

“As evidências que levantamos até agora não deixam dúvida de que este é um crime de ódio racista que irá à Justiça como crime de ódio”, disse o comissário de polícia de Buffalo, Joseph Gramaglia, neste domingo.

Onze pessoas atingidas pelos tiros eram negras e duas eram brancas, disseram autoridades. Não se sabe a divisão racial entre as vítimas fatais.

Gramaglia disse aos jornalistas que Gendron havia sido preso e submetido a uma avaliação mental durante um dia e meio em junho do ano passado, mas foi liberado.