Cigarro eletrônico explode em cima da cama de jovem em Maringá

Um vídeo gravado por um jovem morador de Maringá começou a ganhar repercussão nas redes sociais na manhã desta quarta-feira, 4, e chamou atenção para um alerta. Na gravação, o rapaz relata momentos depois que um cigarro eletrônico do (modelo pod) explode. Segundo ele, o dispositivo teria sido recondicionado e explodiu após ter sido colocado na tomada para carregar.

Nas imagens, o rapaz que não quis ser identificado filma a cama do quarto parcialmente queimada. O vídeo ainda mostra, no chão, alguns carregadores que ficaram destruídos com a explosão.

“Aê vai lá, fica aí carregando pod, fica recondicionando rapaziada. Pod não explode, não! Não faz nada, não. Vai, continua recarregando aí,” afirmou ele, com ironia.

No vídeo ainda é possível ouvir uma familiar do rapaz ao fundo, bastante agitada e na “bronca” com o jovem por causa da situação. Apesar do susto, ninguém se feriu com a explosão.

Os especialistas já esclareceram inúmeras vezes que engana-se quem pensa que os dispositivos eletrônicos para fumar são inofensivos à saúde. Dentre os principais males estão as doenças respiratórias. O cigarro eletrônico causa desde sintomas leves respiratórios como tosse, falta de ar e dor no peito, até doenças graves como a Evali, que pode levar a insuficiência respiratória e morte. Além disso, há pesquisas que indicam que os riscos apresentados pelo consumo do vaper são iguais ou mais severos que os esperados pelo uso do cigarro tradicional.

Embora esses alertas sejam emitidos com frequência, um a cada 5 jovens de 18 a 24 anos usa cigarros eletrônicos no Brasil, aponta pesquisa divulgada pela Covitel/Umane neste último dia 27. O dado inédito é resultado de entrevistas feitas com 9 mil pessoas por telefone, em todas as regiões do Brasil.

Com informações do portal GMC Online.