Com aumento de casos de síndrome respiratória, Saúde divulga nota técnica para prevenção da gripe

Neste período do ano há um aumento de circulação de vírus que causam infecção respiratória aguda, especialmente em crianças e adolescentes. Para conter os casos de gripe neste público a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) publicou nesta quarta-feira (4) a Nota Técnica Nº 8/2022 com cuidados gerais para a prevenção da transmissão da doença.

“Este ano estamos em uma situação diferenciada quanto às infecções respiratórias. Temos observado um número de ocorrências acima do esperado. Além da pandemia da covid-19, tivemos a epidemia da H3N2, com o aumento dos casos de Influenza antes do período que normalmente ocorrem. Portanto, nosso cuidado é que as síndromes respiratórias não se agravem, e para isso alguns cuidados são essenciais”, alertou o secretário estadual da Saúde, César Neves.

​​​​​A Nota Técnica orienta pais e responsáveis de crianças e adolescentes para a prevenção e cuidado em ambientes de convívio comum e higienização, além de alertar para os sinais da doença. Elaborado pela equipe de Atenção e Vigilância em Saúde, o documento também aconselha sobre procedimentos a serem realizados.  

Manter distanciamento social e evitar aglomerações; deixar ambientes bem ventilados, com janelas e portas abertas; manter as mãos limpas com a lavagem ou uso de álcool em gel 70%; higienizar com frequência os brinquedos das crianças; não compartilhar objetos pessoais (talheres, toalhas, pratos, copos e garrafinhas); e utilizar máscaras estão entre as principais orientações.

Vírus

Sars-CoV-2, Sincicial, Rinovírus e Influenza são alguns dos vírus respiratórios circulantes no estado. De acordo com o Sistema de Informação de Vigilância Epidemiológica da Gripe (Sivep), mais de 1.677 crianças de zero a 4 anos já foram hospitalizadas de janeiro a abril deste ano com Influenza. O número é 3,6 vezes maior do que o registrado em 2019, que contabilizou 467 hospitalizações para crianças dessa faixa etária. Em 2020 o número se manteve igual ao de 2019 e, em 2021, chegou a 1.218.

Infecção

As infecções das vias aéreas superiores (nariz, garganta, ouvidos e seios da face) ou inferiores (brônquios e pulmão – pneumonia e bronquiolite viral) se manifestam com sintomas como secreção nasal, obstrução nasal, tosse, chiado no peito, dor de garganta, dor de cabeça, alterações do paladar e olfato, podendo ou não apresentar febre associada. Pode haver também vômitos e/ou diarreia.

A Sesa também divulgou a Nota Técnica Nº 7/2022 com orientações a serem adotadas pelos estabelecimentos de saúde durante a assistência aos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG).

Informações da Agência Estadual de Notícias