Nos primeiros meses do ano, vandalismo cresceu mais de 30% no transporte coletivo

Mesmo com a pandemia do coronavírus e a redução da circulação de pessoas, no primeiro trimestre de 2021, o vandalismo cresceu em terminais, estações-tubo e pontos de ônibus de Curitiba. O levantamento da Urbanização de Curitiba (Urbs) mostra que os prejuízos causados por depredação e furto somaram R$ 323 mil nos primeiros três meses do ano, 35% a mais do que o registrado no mesmo período de 2020 (R$ 239,2 mil).

Os valores são referentes aos gastos com conserto, substituição e manutenção, realizados nos locais após as ocorrências. Foram 1.481 casos de vandalismo e furto no primeiro trimestre, 38% mais do que no mesmo período do ano passado (1.072).

As depredações ocorreram, principalmente, em banheiros dos terminais, com danos e destruição de pias, vasos sanitários e válvulas. Mas a pichação de paredes e quebra de vidros em estações-tubo também são comuns.

Os pontos de ônibus metálicos, administrados pela Clear Channel, também foram alvo do aumento do vandalismo nesse início de ano. Segundo a empresa, o prejuízo somou R$ 839,3 mil, contra R$ 559,4 mil gastos no primeiro trimestre de 2020, uma alta de 33%. Os valores incluem, ainda, os danos causados a estruturas de publicidade, placas e lixeiras.

Os principais focos de vandalismo nos pontos de ônibus são os vidros, comprometendo muitas vezes o abrigo e o teto das estruturas. Já no caso de furtos, o alvo é o alumínio presente nas estruturas.

Danos

O transporte coletivo de Curitiba conta com 22 terminais, 331 estações-tubo e mais de dois mil pontos metálicos. Com a pandemia, o número de usuários do transporte coletivo teve uma queda superior a 50%, passando de 734 mil passageiros/dia antes para 350 mil.

Em 2020, o vandalismo provocou um prejuízo de R$ 1 milhão para a Prefeitura de Curitiba, 5% mais do que em 2019. Em junho do ano passado, durante uma manifestação no centro da cidade, foram danificados, em pouco mais de uma hora, sete pontos e duas estações-tubo. 

Em 2021, a ação cresceu. Na Rua Brasílio Itiberê, no bairro Rebouças, três pontos de ônibus foram vandalizados recentemente e ficaram sem o teto. Em março, duas pessoas tentaram levar toda a estrutura de um ponto de ônibus na Alameda Dr. Muricy, no Centro.

Informações da Prefeitura de Curitiba