Setembro Verde: instituto faz ação para falar sobre doação de órgãos em Curitiba nesta terça

Para marcar o Setembro Verde, mês de conscientização sobre a doação de órgãos, o Instituto para Cuidado do Fígado (ICF), que presta atendimento voluntário em Curitiba, fará uma ação para mostrar a importância da doação em todos os sentidos.

O evento será nesta terça-feira, 27 de setembro, quando é celebrado o Dia Nacional de Doação de Órgãos. A ação acontece das 9h às 15h, no Sesc da Esquina (rua Visconde do Rio Branco, 969).

A população poderá participar de várias formas, como doação de sangue e doação de cabelos para perucas.

“Este ano, fomos além da doação de órgãos e quisemos abordar a doação e a empatia em todos os sentidos. Porque para que aconteça um transplante, é preciso que o tema do amor, da vida e de se doar ao próximo façam parte da história da família. Por isso, convidamos diversas entidades que trabalham com a doação nos diversos aspectos, seja com animais, sangue, cabelo, tempo”, afirma Dr. Fábio Porto, cirurgião do aparelho digestivo e um dos fundadores do ICF.

Todas as entidades estarão apresentando seus trabalhos em tendas montadas no estacionamento do Sesc da Esquina. No dia, a população poderá doar sangue (agendamento prévio), fazer o cadastro para doador voluntário de medula óssea, entregar mechas de cabelo para fabricação de perucas ou fazer o corte no local e ainda doar ração para animais resgatados.

Para ser um doador de sangue no dia, é preciso fazer o agendamento prévio enviando uma mensagem de texto para o WhatsApp (41) 98841-1256, de segunda a sexta, das 9h às 17h. Para ser doador é preciso: estar em boas condições de saúde; ter entre 16 e 69 anos; pesar no mínimo 51 kg; estar descansado, hidratado e alimentado (evitar alimentos gordurosos nas 4 horas que antecedem a doação) e apresentar documento oficial com foto.

Para doar o cabelo corretamente, ele precisa ter a partir de 20 centímetros, estar seco e limpo e estar amarrado em cinco mechas com elásticos bem firmes.

Doação de órgãos

Para ser um doador, basta avisar a família e, por isso, mesmo, o ICF criou um filtro no Instagram, incentivando esse diálogo e a expressão da vontade em vida. Um deles é um balão de pensamento com a frase “Família, eu sou doador de órgãos”. No outro, um coração com a mensagem “Eu digo sim para a doação de órgãos”. E ainda a imagem de um coração repleto de órgãos com o slogan “Doar órgãos é um gesto de amor”. Para usar o filtro, basta clicar aqui.

Vale lembrar que o doador vivo pode doar um rim, medula óssea (se compatível, feita por meio de aspiração óssea ou coleta de sangue); parte do fígado (em torno de 70%) e parte do pulmão (em situações excepcionais). Já um único doador falecido pode salvar mais de oito vidas, podendo doar coração, pulmão, fígado, os rins, pâncreas, córneas, intestino, pele, ossos e válvulas cardíacas.

Para entrar na lista de espera de transplante, o médico do paciente precisa cadastrá-lo na lista única. Os receptores (pacientes que estão na fila) são separados de acordo com as necessidades e conforme o órgão que necessitam, tipos sanguíneos e outras especificações técnicas.