Para ampliar cobertura vacinal nos municípios, Paraná promove Dia D em 11 de junho

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) promove no próximo sábado (11) o Dia D de Vacinação no Paraná, para atualização da carteirinha da população em geral, seja nas estratégias de rotina ou nas campanhas vigentes do Ministério da Saúde (Covid-19, Influenza e sarampo).

A ação foi proposta após a baixa cobertura dos imunizantes já elencados no esquema vacinal primário, além da terceira dose da vacina contra a covid-19. A ideia da Sesa é ampliar a cobertura nos 399 municípios, em pessoas de todas as idades e grupos prioritários.

O secretário de Estado da Saúde, César Neves, falou sobre a data. “Cada município vai realizar uma ação diferente, dentro da mesma proposta, com ações especiais nos quatro municípios-sede das Macrorregiões de Saúde – Curitiba, Londrina, Maringá e Cascavel. Pelo menos um representante da Sesa irá acompanhar esse lançamento nesses locais. Nossa ideia é imunizar o maior número de pessoas, e para isso contamos com a colaboração e adesão da população”, disse.

Nesta sexta-feira (3), o Paraná anunciou a prorrogação da Campanha de Vacinação contra a Gripe e Sarampo, que teve início no dia 4 de abril. A previsão era que o público-alvo fosse atingido até essa sexta-feira (3), mas apenas 47% se vacinaram contra a gripe e 35,3% contra o sarampo. A meta é de 90% e 95%, respectivamente. Agora a vacinação para grupos prioritários segue até 24 de junho.

Além desta Campanha, o estado reforça a necessidade da continuidade da vacinação contra a covid-19. Segundo o último levantamento realizado pela Sesa, mesmo com 25 milhões de doses aplicadas, mais de 1,3 milhão de pessoas não tomaram a segunda dose (D2) e 4,3 milhões são considerados “faltosos” na dose de reforço (DR).

“Precisamos que essas pessoas que não estão com as vacinas em dia procurem um posto de vacinação no seu município e atualizem a carteirinha. As vacinas são nossa principal ferramenta para combater as doenças, e se não nos prevenirmos poderemos contribuir para uma maior disseminação desses vírus e infecções”, ressaltou Neves.

As dez vacinas de rotina (BCG, Febre Amarela, Hepatite A, Hepatite B, Meningocócica, Pentavalente, Pneumocóccica, Poliomielite, Rotavírus Humano e Tríplice Viral) também estão com coberturas abaixo do necessário. O imunizante que previne contra a Hepatite B, por exemplo, fechou o último ano com apenas 57,18% de adesão, sendo a vacina com procura mais baixa, seguida pela da Febre Amarela, com 71,38%, e BCG, com 77,23%. 

Informações da Agência Estadual de Notícias