Empresa pede ajuda dos caminhoneiros para enfrentar a covid-19

Em 2021, o auge do escoamento da safra coincide com o pico de novos casos e mortes pela covid-19 no Brasil e no Paraná. Por esse motivo, a Portos do Paraná solicita a consciência e os cuidados de cada caminhoneiro que realiza o transporte de cargas.

“Investimos em medidas de proteção para todos, no pátio dos caminhoneiros e no acesso ao cais. Precisamos contar com a colaboração de cada um, também, nessa batalha”, afirma o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

Durante o mês de março, mais de dois mil caminhões chegam, diariamente, para descarregar no Porto de Paranaguá a produção de soja, vinda de diversos estados, como Paraná, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais e Santa Catarina.

Quando são recebidos no Pátio de Triagem, onde aguardam para seguir o descarregamento dos grãos, os caminhoneiros precisam passar pelas barreiras sanitárias, instaladas no local há quase um ano.

“Essas estruturas de saúde seguem sendo importantes para o trabalho de prevenção e para não sobrecarregar o sistema de saúde municipal”, comenta Garcia.

Protocolo

Quando os motoristas chegam no Porto, eles têm a temperatura aferida e são abordados por técnicas de enfermagem que coletam informações sobre o estado geral de saúde do caminhoneiro. Se o termômetro indicar menos de 37,6ºC, eles são orientados a higienizar as mãos e liberados.

Segundo orientações da Gerência de Saúde e Segurança no Trabalho da Portos do Paraná, cada motorista deve usar sempre a máscara, de maneira adequada, ter e usar o álcool em gel, manter o distanciamento e evitar as aglomerações em qualquer lugar que seja, principalmente em frente ao escritório dos operadores, nas cantinas e demais áreas comuns do pátio ou da moega.

Suspeitos

Caso o caminhoneiro apresente alguma alteração, ele é encaminhado até a equipe médica no local para passar por uma avaliação e análise primária de sintomas. Se os sintomas forem leves, a equipe coleta os dados do trabalhador e orienta sobre as medidas preventivas, como o uso de máscara e o isolamento.

Se o caso for entre moderado e grave, com suspeita de covid-19, o encaminhamento é para as unidades de saúde ou para o Hospital Regional. O transporte do paciente é feito pela ambulância do OGMO, se for no acesso ao cais, ou pelo Samu, do pátio.

Em todas as situações, o município é notificado. A equipe da Guarda Portuária também recebe informações para impedir que o trabalhador ou motorista insista em ignorar as recomendações.

No cais

Da mesma maneira como funciona no pátio, também acontece com caminhões das cooperativas locais que acessam o cais. Neste mês são, em média, cerca de 900 caminhoneiros por dia, que chegam para pegar os produtos vindos da importação ou para levar a carga para o embarque.

Colaboração Portos do Paraná