Acusados de torturar e matar professor de geografia são condenados pela Justiça

O julgamento de Guilherme Jesus Oliveira, Jhoe Mateus Mariano, Marcelo Hortmayer e Gabriela Ferraz Gonçalves, acusados pela morte do professor de geografia Ronaldo Pescador, de 40 anos, aconteceu nesta terça-feira (27) em Curitiba.

Os réus foram julgados por homicídio qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menores. Durante o julgamento, foram ouvidas as testemunhas e os acusados. No período da noite, aconteceu o debate entre o Ministério Público e a defesa dos réus.

O acusado Marcelo Hortmayer confessou ser o autor do assassinato e foi absolvido de apenas um dos crimes. Os outros três réus também tiveram penas altas. Gabriela, que respondia em liberdade, saiu do tribunal direto para a penitenciária junto com Guilherme, Jhoe e Marcelo.

Relembre o crime

O professor de geografia Ronaldo Pescador, que atuava em escolas de São José dos Pinhais, foi encontrado em um carro. Ele estava enrolado em um tapete e com uma lingerie na boca. A vítima foi agredida até a morte e atingida por um golpe de facão no coração.

De acordo com a defesa de um dos acusados, todos estavam em uma rave. Eles teriam deixado o local bêbados e drogados e seguiram para um sobrado, no bairro Xaxim, em Curitiba. Na residência, começaram uma discussão e, na sequência, Ronaldo foi torturado e morto. O corpo foi colocado em um veículo e abandonado há cerca de 5 quilômetros da casa.

O advogado de defesa de Hotmayer, Ryan Antunes de Sá explica que o crime pode ter sido motivado por ciúmes e atitudes homofóbicas. Segundo ele, Joe era namorado de Gabriela, mas também se relacionava com Ronaldo. A discussão teria começado após Joe fazer ofensas de cunho sexual envolvendo a vítima.