Organização criminosa que enviava ordens de dentro do presídio é alvo de operação

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta terça-feira (15), a Operação Efialtes, com o objetivo de desmantelar uma rede de transmissão de ordens de líderes de uma organização criminosa, que estão presos na Penitenciária Federal de Catanduvas, no Paraná, para integrantes que estão em liberdade. A rede contava com a participação de um servidor daquele estabelecimento prisional.

Cerca de 90 policiais federais cumprem 26 mandados de prisão preventiva e 10 mandados de busca e apreensão em três estados: Paraná (Catanduvas e Cascavel), Santa Catarina (Chapecó) e São Paulo (São Bernardo do Campo). Dentre os bens apreendidos estão imóveis e carros de luxo.

(Foto: Divulgação/Polícia Federal)

O agente federal de execução penal, alvo de mandado de prisão, deve responder pelos crimes de Associação ao Tráfico de Drogas, Organização Criminosa, Corrupção Ativa e Passiva e Lavagem de Dinheiro, com penas que podem ultrapassar os 30 anos de prisão.

Além do agente público, a rede de comunicação contava ainda com a participação de uma advogada, que também atuava na transmissão de ordens das lideranças da facção criminosa.

A investigação contou com apoio do Departamento Penitenciário Nacional e da Receita Federal do Brasil.

Com informações da Polícia Federal