Beber água da torneira pode provocar problemas de saúde

Beber água da torneira faz mal quando não há um tratamento adequado, seja nas estações de tratamento, seja na passagem entre as tubulações das cidades até as casas. 

Metais pesados, como arsênico, chumbo, mercúrio e alumínio podem estar presentes na água, causando problemas específicos de saúde — câncer, doenças hepáticas e degenerativas do sistema nervoso central são os mais comuns. 

Além disso, o hábito acarreta gastroenterites, esquistossomose, hepatite A, cólera e leptospirose quando há contaminação.

É possível tornar o líquido totalmente apropriado para o consumo por meio de um purificador para as residências — que pode ser conectado à torneira — ou de um filtro de água para empresas. Os equipamentos conseguem reter metais, microrganismos nocivos e demais impurezas que possam afetar negativamente a saúde.

De acordo com a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), a água da torneira no Brasil pode ser considerada apropriada para o consumo humano e animal nas diversas cidades que seguem os Planos de Segurança da Água, segundo os princípios recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) ou diretriz nacional vigente. 

Apesar dos investimentos em tratamento de água, é preciso ressaltar alguns fatores que podem impactar o ato de beber diretamente da torneira. A tubulação que percorre a cidade, por exemplo, nem sempre passa por manutenção devida, e o sistema hidráulico das residências se danifica ou passa muito tempo sem substituição. Dessa forma, o líquido se contamina facilmente no percurso que faz até o seu destino. 

Substâncias na água que são nocivas

Conforme apontado em artigo homologado pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública (EBMSP), as centrais de abastecimento usam desinfetantes, como o cloro, para tratar a água. Adicionados para matar microrganismos, esses produtos podem deixar resíduos que fazem mal à saúde.

Tanques sujos ou corroídos e canos subterrâneos também afetam a qualidade da água que sai da torneira. Assim, mesmo parecendo pura, ela pode conter diversas substâncias que são nocivas ao ser humano e aparecem devido a sistemas inadequados de encanamento ou armazenamento.

Metais pesados como arsênio, alumínio, chumbo e mercúrio penetram na água pelo encanamento residencial ou fontes contaminadas, como rios poluídos. Especialistas alertam, ainda, para o risco de elementos prejudiciais à saúde, como vírus e bactérias causadores de verminoses, diarreia, hepatites, cólicas estomacais e febre tifoide.

Assim, a recomendação é beber somente água filtrada. Para não colocar em risco a saúde de todas as pessoas que compartilham o mesmo ambiente — sejam moradores de uma casa, sejam colaboradores de uma empresa —, não se deve ingerir o líquido caso ele apresente cheiro ou gosto desagradável.

Tratamento de esgoto é fundamental 

Doenças causadas por bactérias, vírus, vermes e protozoários são problemas graves de saúde causados por água contaminada. Amebíase, febre tifoide, giardíase e hepatite tipo C são alguns exemplos. Alguns dos sintomas mais frequentes dessas complicações incluem dores abdominais, febre, diarreia, vômitos e perda do apetite.

Como ressaltado no artigo da Escola de Medicina Bahiana, nos países em desenvolvimento o maior causador de contaminação é a falta de tratamento para os esgotos domésticos, industriais e agrícolas, incluindo os agrotóxicos.

Outros fatores são os já mencionados contato do líquido com produtos químicos tóxicos e a presença de microrganismos patogênicos que, em decorrência da falta de qualidade em alguns tratamentos de esgoto, resistem e permanecem na água.

Essas substâncias e produtos poluentes podem ser classificadas entre biodegradáveis e persistentes. A primeira se refere aos produtos que se decompõem após determinado período, como detergentes, inseticidas, petróleo e fertilizantes. Já a segunda diz respeito às substâncias presentes em sua composição, que permanecem por prazo indeterminado.

Água fervida é tão segura quanto a filtrada?

Ferver a água é eficiente para eliminar microrganismos patogênicos. Todavia, a fervura não é capaz de retirar elementos químicos como os metais pesados. É preciso manter a panela tampada para que não seja contaminada novamente enquanto esfria.