Conheça as origens dos principais pratos da culinária brasileira

A culinária brasileira é extremamente miscigenada e mistura ingredientes europeus, de povos indígenas e africanos. Não nos faltam opções, sejam doces, salgados ou até mesmo bebidas. O Brasil por si só já é um caldeirão de culturas e tradições diversas, e na culinária isso não seria diferente. A diversidade é refletida em nossos pratos.

Comprovando essa origem miscigenada, algumas técnicas e ingredientes da nossa cozinha são de origem indigena, mas sofreram modificações ao longo do tempo. Os escravos, brutalmente trazidos ao Brasil, acrescentaram elementos à nossa culinária, como azeite de dendê e cuscuz. A influência desses povos refletiu na criação de pratos como bobó e feijoada. Muitos imigrantes europeus que vieram ao Brasil, entre os séculos XIX e XX,  também trouxeram novos ingredientes para as receitas. 

Os portugueses estavam acostumados com comidas que duravam bastante tempo por conta da travessia do Atlântico, como carnes secas, toucinho, peixes salgados e cerveja. 

Durante a colonização trouxeram a batata, farinha de trigo, tomates e molhos de tomate, mas isso se intensificou com a chegada dos imigrantes italianos na virada do século 20. Nesse período, os europeus também conheceram muitos alimentos que eram cultivados pelos povos indígenas, como mandioca, milho, peixes, verduras, legumes e frutas.

Mais recentemente foram incorporados em nossos costumes elementos de cozinhas árabes, orientais e norte-americanas. Já nos acostumamos com kibes, esfihas, coalhadas e tabules, provenientes dos árabes.  Dos orientais, o pastel de feira, sushis, sashimis, yakissoba e guioza já fazem parte do nosso dia a dia. Já dos norte-americanos, pegamos o gosto por comidas rápidas, os famosos fast-foods, como hambúrgueres e cachorros-quentes. 

Alguns dos pratos típicos mais famosos que compõem o cardápio dos brasileiros são o churrasco, a moqueca, a cachaça, os brigadeiros, o pão de queijo, o açaí e a feijoada. 

Apesar de todo o Brasil ter algumas características em comum, cada região tem suas particularidades e seus pratos típicos. 

Na região norte, a mistura de elementos indígenas com a imigração europeia é forte. Diversos povos deixaram sua marca, já que o ciclo da borracha, entre 1879 e 1945, atraiu libaneses, japoneses, italianos e até nordestinos para a região. Alguns dos pratos típicos da região são pato no tucupi, caruru, tacacá e maniçoba.

Na região nordeste, a presença africana é bem forte. Apesar de representar um momento de muito sofrimento, o período escravocrata deixou muitos traços em nossa cultura e fazem parte da identidade nacional. Alguns dos pratos típicos são acarajé, vatapá, buchada, paçoca, tapioca, sarapatel e cocada.

A região centro-oeste é profundamente influenciada pela pecuária. As carnes bovina, caprina e suína são a preferência. Existe uma presença marcante da culinária indigena representada pela preferência regional por raízes. Assim como, os ciclos de imigração trouxeram as culinárias africana, portuguesa, italiana e síria. Alguns pratos típicos são arroz com pequi, picadinho com quiabo, sopa paraguaia, empadão goiano, caldo de piranha e vaca atolada.

A região sudeste tem influências portuguesas, indígenas e africanas. Com a chegada de imigrantes japoneses, libaneses, sírios, italianos e espanhóis, a diversidade gastronômica foi enriquecida, principalmente, em São Paulo. Os principais pratos típicos são tutu de feijão, virado à paulista, moqueca capixaba, feijoada, picadinho paulista e pão de queijo. Pratos da culinária italiana também são muito apreciados e presentes no dia a dia.

Na região sul, a mistura entre as cozinhas italiana, alemã, portuguesa e espanhola é marcante. O churrasco é o principal prato do Rio Grande do Sul, mas outros pratos típicos da região são barreado, galeto, sopa de capeletti, arroz carreteiro e sopa catarinense.

A culinária brasileira é extremamente rica. Um outro aspecto é a característica de afeto e memória do alimento, como no famoso livro Em Busca do Tempo Perdido, no qual personagem, do autor Marcel Proust, desencadeia fortes lembranças pessoais, a partir das madeleines que ele come mergulhando-as no chá. Como na obra, por meio de comidas e receitas, dá para refazer as conexões com o passado e os ascendentes. Você tem vontade de descobrir mais detalhes sobre as suas origens?

Com o teste genético meuDNA Premium você recebe relatórios com os seus resultados da sua ancestralidade, junto com informações sobre tradições, cultura, culinária e região dos povos presentes nos seus resultados. Além de informações sobre a história da vinda dos povos ao Brasil, sua saúde e dados no Brasil e no mundo. 

Por exemplo, se você tiver entre seus ancestrais os povos cáucasos, você vai ver que um dos pratos típicos da culinária armênia é o Börek, um prato originário na península Anatoliana, popular em diversos países do Oriente Médio e dos Balcãs. É um aperitivo de massa folhada, recheado com queijo, espinafre ou carne moída.

O teste genético do meuDNA pode ser comprado pela internet e, com apenas uma pequena amostra de saliva enviada ao laboratório, o usuário conseguirá descobrir detalhes sobre a sua ancestralidade, levando em consideração até 8 gerações passadas, o que corresponde aos tataravós dos seus bisavós. O teste é totalmente focado no público brasileiro e consegue apresentar até 88 populações nos relatórios. Todos os resultados podem ser conferidos no site em até seis semanas. Além do resultado de origens, traz a ferramenta mais avançada do país para identificar predisposições a doenças e representa uma potente forma de prevenção ao câncer de mama, ovário, colorretal, de pele melanoma e endométrio e próstata e doenças como triglicerídeos altos, colesterol, doença de Wilson, diabetes monogênica, hemocromatose e deficiência de alfa-1-antitripsina. O meuDNA Premium representa uma experiência de autoconhecimento completa.