Dia das Bruxas – Venda de artigos para festa cresce e beneficia toda a cadeia

Quem ainda não garantiu uma capa de Drácula, um baldinho em formato de abóbora e teias de aranha falsas para o Dia das Bruxas corre o risco de não encontrar mais os adereços em lojas de decoração e fantasias. Isso por conta da alta demanda por produtos para a festa, que foi criada entre os séculos XIV e XVIII na região do Reino Unido, ganhou fama nos Estados Unidos e vem se tornando cada vez mais popular no Brasil.

“Como indústria, importador e distribuidor, trabalhamos antecipadamente para atender nossos clientes e eles, por sua vez, têm antecipado cada vez mais suas compras do Dia das Bruxas para garantir produtos para seus clientes. Muitos já nos relataram que venderam tudo e ainda faltou produto devido à procura”, conta a gerente comercial da indústria e distribuidora de artigos para festas BR Festas, Luciana Barizi.

De acordo com a pesquisa trimestral intitulada “Boletim Econômico: Qual a confiança dos empresários do setor de artigos para festas” feita pela Associação Brasileira do Comércio de Artigos para Festas (Asbrafe), 85% das empresas esperam que o faturamento aumente no Halloween. O sucesso das vendas se reverte em resultados positivos tanto para os comércios quanto para a própria indústria/distribuidora e seus representantes comerciais. 

“Faz mais ou menos uma década que o Dia das Bruxas, ou Halloween, vem crescendo e ganhando cada vez mais relevância no Brasil. Hoje, a data é tão importante para o segmento de festas, fantasias e doces quanto o carnaval e a festa junina”, avalia o presidente do Conselho Regional dos Representantes Comerciais do Paraná (Core-PR), Paulo Nauiack.

Pós-pandemia

Além da popularidade do Halloween, a retomada das festas possibilitada pelo arrefecimento da pandemia também aqueceu as vendas de artigos de decoração, maquiagens e fantasias. “O brasileiro é muito festivo, aproveita cada oportunidade para celebrar. Então, o Dia das Bruxas voltou ainda mais forte”, avalia Luciana.

Para preparar os lojistas para isso, os representantes comerciais da indústria já estavam atuando desde julho, quando as festas juninas, que hoje se estendem pelos meses de julho e até agosto, ainda estavam em andamento. 

Nauiack concorda quanto ao fortalecimento das comemorações e lembra que isso vem sendo comprovado a cada data festiva. “O que vimos, esse ano, foi um movimento de retorno dos eventos e comemorações de uma forma geral, considerando as datas em que se trocam presentes como Dia das Mães e das Crianças, e as datas marcadas por festas como as festas juninas e o Dia das Bruxas – e, depois de dois anos de pandemia, elas vieram fortes. Então, o ano foi melhor para nós e agora temos boas expectativas para o período de Natal e Reveillón”, conclui.