Pesquisa mostra três motivos para a disseminação do coronavírus no Brasil

O vírus da covid-19 teve como principal ponto de entrada no Brasil aeroportos internacionais, afirma a pesquisa publicada na revista Scientific Reports nesta segunda-feira (21). No entanto, o estudo responde a seguinte pergunta: como o vírus se espalhou pelo país? 

Os fatores que impulsionaram a distribuição geográfica da doença, segundo os autores do estudo, os pesquisadores Miguel Nicolelis, Rafael Raimundo, Pedro Peixoto e Cecília Andreazzi, são as cidades que super espalham o vírus, as rodovias brasileiras e a falta de disponibilidade de unidades de terapia intensiva (UTI). 

O papel da cidade de São Paulo como cidade disseminadora do vírus correspondia inicialmente a mais de 85% da propagação do caso em todo o país, segundo o estudo. Além disso, as 26 rodovias federais responderam por cerca de 30% da propagação de casos do SARS-CoV-2. 

De acordo com o estudo, com o aumento dos casos no interior do Brasil, as mortes por covid-19 passaram a se correlacionar com a falta de disponibilidade de UTIs, que estão em maior número nas capitais de estado. Houve assim a geração de um “efeito bumerangue”.  Pacientes graves moradores do campo foram transportados às capitais para acesso aos leitos de UTI. 

O que poderia ter sido feito?

Com o registro do primeiro caso em território brasileiro no dia 26 de fevereiro de 2020 e o alcance da triste marca de 500 mil mortes neste último sábado (19), apenas 1 ano e 4 meses depois, a pergunta que fica é: o que poderia ter sido feito para evitar a dor de mais de 500 mil famílias brasileiras? 

De acordo com os pesquisadores, se um bloqueio tivesse sido imposto anteriormente nas capitais que mais propagaram o vírus, se restrições de tráfego rodoviário obrigatórias tivessem sido aplicadas e se existisse uma distribuição geográfica mais equitativa de leitos de UTI, o impacto da covid-19 no país poderia ter sido significativamente menor.

Informações do SBT News