Festival exibe apresentações de artistas de Foz do Iguaçu

Até o dia 7 de maio, as redes sociais da Fundação Cultural de Foz do Iguaçu serão o palco e a tela para a apresentação de quase 100 artistas do município, durante o Festival do Distanciamento Social. O evento selecionou vídeos, por meio do edital de chamamento público, a partir de recursos financeiros da Lei Federal de Emergência Cultural Aldir Blanc. O montante repassado foi de R$ 96,5 mil. 

Serão três materiais postados todos os dias no Facebook da Fundação Cultural. O evento também conta com 44 mostras de Artesanato e Artes Aplicadas, Patrimônio Cultural e Memória, Culturas Populares, Música, Carnaval, Audiovisual, Literatura, Artes Cênicas, Artes Visuais e Capoeira. 

Além das apresentações, cada publicação trará detalhes do processo de criação artística, informações sobre os envolvidos e sobre o processo criativo de cada artista local. 

Um dos exemplos é o de Gabriela Fernandes, que dirigiu com a irmã, Izabela Fernandes, o curta-metragem “Memórias pescadas com o meu avô”, que conta a história de Antonio de Souza. O ex-barrageiro e iguaçuense de coração desde 1978, poeta e pescador contou histórias sobre a vida na fronteira. 

“Nosso avô nos mostrou como a arte é importante e nos aproximamos dela por conta dessa inspiração que ele sempre nos deu. Resolvemos, então, inspirar outras pessoas com tudo o que ele pode ensinar com a poesia sobre Foz do Iguaçu, por meio do nosso trabalho no audiovisual”, disse Gabriela. 

Paralisação na pandemia

De acordo com o diretor presidente da Fundação Cultural, Juca Rodrigues, o edital contemplou artistas afetados pela paralisação das atividades devido à pandemia do coronavírus e que não receberam o auxílio emergencial em 2020. 

“A Lei Aldir Blanc é uma conquista para os artistas de todo o Brasil. Uma classe tão afetada pela pandemia que pôde ser agraciada pelo edital. Acima de tudo isso, é também a oportunidade para os nossos artistas se mostrarem nesse momento em que a arte é cada vez mais importante. Nossos canais nas redes sociais estarão abertos para divulgá-los e valorizar a arte. Precisamos nos fortalecer, e fortalecer os artistas e a cultura da cidade”, disse Juca. 

A artista circense Dira Silva trabalhava com apresentações em eventos e interação com o público, mas teve que parar todas as atividades durante a pandemia. Para obter renda, começou a dar aulas, mas sempre esperançosa de voltar a se apresentar. 

“A escolha pelo edital foi essencial para eu sentir a alegria de voltar a me apresentar e também pela questão financeira, recebendo pelo meu trabalho que tanto amo. Estou feliz por voltar”, comemorou. 

O curta-metragem ‘Memórias pescadas com o meu avô’ e a apresentação de Dira, ‘Se Uma Estrela Aparecer’ estão disponíveis no Facebook da Fundação Cultural.

Informações da Prefeitura de Foz do Iguaçu