Surfista paranaense é promessa da modalidade e sonha com campeonato mundial

Luara Mandelli, 14 anos, faz parte da nova geração do Brazilian Storm, grupo considerado promessa do surf brasileiro. Um dos destaques nas últimas competições realizadas no país, a jovem quer aumentar o grupo seleto de surfistas profissionais que, segundo a Associação Brasileira de Surf, conta com apenas 30 mulheres.

“Meu sonho é ser campeã mundial, por isso vou todos os dias para o mar. Comecei competindo no Open e quando ganhei foi demais. Agora é treinar para chegar cada vez mais perto do meu objetivo”, conta a surfista.

No ano passado, dos 16 campeonatos que participou, conquistou 12 vitórias. Agora, ela volta de uma temporada de 30 dias na Indonésia, onde aproveitou para treinar o backside, que é a manobra em que o surfista fica de costas para a onda. Só no mês de julho participou de campeonatos como o Paranaense, Brasileiros do Espírito Santo e Pernambuco e o Hang Loose, que venceu em São Paulo.

Sorriso no rosto

O sorriso no rosto fica escancarado assim que Luara vê o mar. A paixão começou desde pequena, herdada de seus pais, que são surfistas. Mas foi com sete anos que a vontade de subir na prancha falou mais alto e a adolescente começou a encarar as ondas diariamente.

Pela pouca idade, Luara precisa conciliar a rotina de viagens e treinos de alto rendimento com os cuidados e atividades de uma adolescente comum. Pela segurança e praticidade, ela começou um tratamento ortodôntico com alinhadores transparentes. Por ser discreto e não ter risco de machucar a boca nas manobras, como poderia acontecer com o tratamento com braquetes, foi possível usar os aparelhos mesmo durante as competições, sem precisar interromper o tratamento.