Paraná aumenta participação na produção nacional de frangos, suínos e leite

No 1º trimestre deste ano, segundo dados do IBGE, foram abatidos 2,79 milhões de suínos pelos frigoríficos instalados no Paraná, o que correspondeu a 20,5% do total do país e assegurou a segunda posição no ranking nacional, atrás apenas de Santa Catarina. O país abateu 13,6 milhões. É a maior participação desde o 2º trimestre de 2020.

Com os certificados de área livre de febre aftosa sem vacinação e área livre de peste suína, um dos principais objetivos será exportar carne de porco para países que até então não compravam do Paraná, como Coreia do Sul e México, com consequente aumento de produção local. A cidade de Assis Chateaubriand, no Oeste do Estado, inclusive será sede do maior frigorífico da América Latina, com previsão de inauguração em 2023.

A evolução na produção de proteína animal pode ser observada também no segmento de frangos. Com o abate de 517,89 milhões de cabeças nos primeiros três meses de 2022, equivalente a 33,5% da produção brasileira, de 1,5 bilhão, o Paraná lidera entre as unidades da Federação.

O Paraná ultrapassou a marca de 500 milhões de frangos abatidos pela primeira vez no 1º trimestre de 2020.

Os resultados repetem-se também no segmento do leite. De um volume industrializado de 559 milhões de litros e uma participação de 10,7% na produção nacional no 1º trimestre de 2010, os números saltaram para um processamento de 816 milhões de litros e um peso de 13,9% no total do país no início de 2022.