Financiamentos para aquisição da casa própria estão em alta em Curitiba

Depois de três meses com leve queda, o número de financiamentos para a aquisição da casa própria voltou a crescer em Curitiba em julho. É o que indica a última pesquisa do Instituto Paranaense de Pesquisa e Desenvolvimento do Mercado Imobiliário e Condominial (Inpespar), integrante do Sistema Secovi-PR. Segundo o levantamento, em julho, 73% das negociações de imóveis usados na capital paranaense envolveram financiamento. Os pagamentos à vista responderam por cerca de 26% das vendas.

Março havia sido o último mês em que o índice de compras de imóveis usados via financiamento na cidade ficou acima de 70% (75,7%). Os meses seguintes foram de leve queda, com 68,1% em abril, 67,4% em maio e 67,1% em junho. O aumento observado em julho em comparação com o período imediatamente anterior foi de 6,6 pontos percentuais (p.p.).

“A Selic, que acaba refletindo em todos os juros do mercado, vem aumentando a cada reunião do Copom [Comitê de Política Monetária] desde março de 2021. Mesmo assim, temos visto um movimento para que o financiamento de imóveis possa continuar sendo uma opção interessante para os brasileiros que desejam adquirir a casa própria”, comenta o vice-presidente de Comercialização Imobiliária do Secovi-PR, Josué de Souza.

Em janeiro deste ano, por exemplo, o crédito imobiliário concedido pela Caixa Econômica Federal (CEF) em todo o país dobrou em comparação com o mesmo mês de 2021, com volume de concessões de financiamentos com recursos próprios chegando a R$ 11,6 bilhões. Agora, em julho, o banco ampliou o financiamento da casa própria – até 80% do valor do imóvel – e anunciou redução nas taxas de juros.

Ticket médio

O ticket médio dos imóveis residenciais usados adquiridos em Curitiba em julho de 2022 foi de R$ 388.653,00, 11,4% maior do que o verificado em julho do ano passado (R$ 348.779,00). Trata-se de valorização superior ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e ao Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) dos últimos 12 meses, de 10,07% e 10,08%, respectivamente.

“A valorização é um bom sinal para aqueles que ainda podem ter dúvidas sobre comprar ou não um imóvel para ampliar seu patrimônio. O que muitas pessoas têm feito é adquirir para investimento, pensando em locação e numa revenda futura”, afirma o presidente do Inpespar, Luciano Tomazini.

Ciclo de estabilização

De modo geral, a venda de imóveis usados na capital paranaense se encontra estável, com patamar de negociações alto. A média para o ano do índice de Vendas de Usado Sobre Oferta (VUSO), de janeiro a julho de 2022, é de 5,1%, somente 0,5 p.p. abaixo do registrado no mesmo período de 2021 e 2,3 p.p. a mais do que se teve nos primeiros sete meses de 2020.

Em julho de 2022, o bairro que concentrou a maior parte das negociações foi o Centro (11,6%). Destaque também para Boqueirão (6,4%), Bigorrilho (4,4%), CIC (4,4%), Boa Vista (4%), Santa Cândida (4%) e Cristo Rei (3,6%).