Investigação conclui que e-mail com frases racistas enviado a Renato Freitas foi forjado

A Corregedoria da Câmara Municipal de Curitiba concluiu, nesta quarta-feira (1º), a investigação sobre o e-mail com ofensas racistas recebido pelo vereador Renato Freitas (PT) atribuído a Sidnei Toaldo (Patriota). A apuração declarou que Freitas recebeu a mensagem, mas ela não foi enviada por Toaldo.

Segundo a corregedora Amália Tortato (Novo), o e-mail foi forjado por um serviço de disparo de e-mails anônimos hospedado na República Tcheca “capaz de mascarar o destinatário”. A mensagem continha ofensas racistas e de cunho político-partidário, além de ameaças a Freitas, Carol Dartora (PT) e Herivelto Oliveira (Cidadania), os vereadores negros da câmara.

Sidnei Toaldo é relator do processo que trata da cassação de Freitas no caso que ficou conhecido como ‘invasão’ da Igreja do Rosário. Por conta da denúncia do e-mail por parte da defesa de Freitas, o processo de cassação foi suspenso. Agora, com o resultado da investigação, uma nova data deve ser remarcada para continuar a análise da perda do mandato.

Investigação do e-mail

Toaldo negou publicamente a autoria da mensagem e fez Boletim de Ocorrência no Núcleo de Combate aos Cibercrimes (Nuciber).

No relatório, Amália Tortato informa que o vereador Renato Freitas permitiu o acesso da Corregedoria ao seu e-mail institucional e que, ao localizarem a mensagem, por meio dos metadados, foi confirmada “a real existência da mensagem de e-mail”. Quanto à autoria, em resposta a ofício do Legislativo, o Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados) atestou que “não houve e-mails enviados efetivamente do remetente [email protected] para o destinatário [email protected] durante o período solicitado”.

“Pode-se afirmar com total certeza que a mensagem apresentada foi forjada para simular o envio utilizando a estrutura de webmail da CMC”, diz a sindicância, avançando para as conclusões da Diretoria de Tecnologias de Informações e Comunicações (DTIC) da CMC. A DTIC identificou nos metadados o uso de um serviço de disparo de e-mails anônimos hospedado na República Tcheca (http://emkei.cz) “capaz de mascarar o destinatário”. À Corregedoria, a Diretoria apontou ter havido uma falha nos critérios da Serpro para identificação de spam e que esse alerta já foi feito ao Serviço Federal de Processamento de Dados.

“Não bastassem essas conclusões, uma das respostas às indagações formuladas por esta Corregedoria no Ofício 003/2022-GAT também evidencia que não houve qualquer acesso, ou sequer tentativa de acesso ao correio eletrônico do Vereador Sidnei Toaldo, entre as 10h00 e as 15h45 (horário oficial de Brasília) do dia 09/05/2022, conforme relação de logins e tentativas de login presente na segunda página do Memorando n. 02/2022-DTIC. Por outro lado, a mensagem de e-mail foi recebida na Caixa de Entrada do Vereador Renato Freitas nesse mesmo dia às 13h17, o que reforça a verificação da DTIC quanto à inautenticidade do campo de remetente”, reitera Amália Tortato.

Leia mais sobre o caso: